Translate

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

ONU lamenta morte da ambientalista e Prêmio Nobel, Wangari Maathai

Professora queniana e primeira africana a receber o Nobel, Maathai morreu, no domingo, vítima de câncer; movimento ecológico, iniciado por ela, plantou 30 milhões de árvores.
Wangari Maathai Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova York.* O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, emitiu um comunicado, nesta segunda-feira, expressando pesar pela morte da ambientalista do Quênia, Wangari Maathai. A professora e ganhadora do Prêmio Nobel da Paz morreu de câncer no domingo, aos 71 anos, em Nairóbi, capital do país. Primeira Mulher Wangari Maathai foi a primeira mulher da África a receber o Prêmio Nobel, em 2004. Nesta visita às Nações Unidas, ela falou sobre o significado da distinção para ela. A ambientalista afirmou que Nobel da Paz realçava que a preocupação com a maioria das pessoas deveria ser generalizada e os recursos geridos de forma sustentável. Maathai afirmou que os recursos devem ser partilhados de forma igual, não permitindo que poucos se beneficiem. E alertou que a situação poderia causar conflitos. Wangari Maathai ficou conhecida no mundo pela sua luta de conservação das florestas e do meio ambiente. Ativista, ela fundou o movimento Cinturão Verde, ainda na década de 70, no Quênia, uma iniciativa que plantou 30 milhões de árvores. Nos últimos anos, ela estava ajudando a ONU com o projeto de plantar 1 bilhão de árvores. Democracia Cinco anos após receber o Nobel, Wangari Maathai tornou-se Mensageira da Paz das Nações Unidas a convite do Secretário-Geral, Ban Ki-moon. Além disso, ela defendia os direitos das mulheres e a democracia. A professora queniana estudou Biologia nos Estados Unidos e medicina veterinária na Alemanha, antes de receber o seu doutorado, no Quênia. De acordo com a biografia de Wangari Maathai na página do Instituto Nobel, ela foi a primeira mulher na África Oriental e Central a receber o grau de doutoramento na Universidade de Nairobi, em 1971. *Apresentação: Mônica Villela Grayley.

Marcadores